segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Perigo a Vista

MENSAGENS



Pensar que já fizemos muito ou pelo menos o necessário.
Julgar-nos superiores ou inferiores a quem quer que seja.
Lembrar situações e circunstâncias em que falimos.
Recordar o mal que alguém nos fez ou nos quis fazer.
Mentalizar maus juízos que os outros possam fazer a nosso respeito.
Admitir que temos defeitos e viciações incorrigíveis.
Imaginar a existência de perseguidores espirituais a nos assediar implacavelmente, cuja indesejável companhia não podemos evitar.
Acreditar que progredimos em proporções tais, que já podemos afrouxar um pouco em nossos esforços de realizações construtivas.
Fixar passagens e cenas em que companheiros nossos tropeçaram e caíram.
Supor que somos por demais decaídos ou degenerados, para tentar a nossa recuperação e nela insistirmos.
Ajuizar que há fatores e forças imponderáveis que conspiram nas sombras contra a nossa felicidade, trabalhando sempre pela frustração dos nossos sonhos e aspirações, sem que tenhamos meios e modos de fugir-lhes à ação perniciosa.
Achar que a nossa condição humana, longe de nos propiciar a ascensão, favorece-nos a queda.
Crer que devemos proceder bem, mas que nem sempre podemos fazê-lo.

Tal como no campo atmosférico, antes de desabar um temporal, há sinais que o prenunciam, possibilitando-nos providências e resguardo, também nos domínios da alma há claros indícios de perigosas situações, de que nos é dado acautelar, buscando em nosso santuário interior, recursos de preservação que nos facultam superar a crise em esboço, sempre de tremendas conseqüências em nossa existência, se não conjurada a tempo.