segunda-feira, 24 de setembro de 2012

A Águia de Asas Partidas

Ele possuía muitas riquezas. Tinha as arcas abarrotadas de ouro e gemas preciosas. A juventude lhe sorria e os amigos sempre se faziam presentes nos banquetes. Habituara-se a dormir em seu leito de ébano e marfim. Dormir e sonhar. Em seus sonhos, misturava-se a realidade das tantas vitórias que lhe enriqueciam os dias. E um desejo de paz que ainda não fruía. Ele amava as corridas de bigas e quadrigas. Recentemente comprara cavalos árabes, fogosos. E escravos o haviam adestrado durante dias. Tudo apontava para a vitória nas próximas corridas no porto de Cesaréia. Mas os momentos de tristeza se faziam constantes. A felicidade não era total. Faltava algo. Ao mesmo tempo, ele temia perder a felicidade que desfrutava. Por isso, ouvindo falar daquele Homem singular que andava pelas estradas da Galiléia, o procurou. Bom mestre, que bem devo praticar para alcançar a vida eterna? Desejava saber. Como desejava. A resposta veio sonora e clara: Por que me chamas bom? Bom somente o Pai o é. À tua pergunta, respondo: “Cumpre os mandamentos, isto é, não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honrarás teu pai e tua mãe.” Tudo isso tenho observado em minha mocidade. No entanto, sinto que não me basta. Surdas inquietações me atormentam. Labaredas de ansiedade me consomem. Faltava-me algo! Então – propõe-lhe a Luz – vende tudo quanto tens, reparte-o entre os pobres. Vem, e segue-Me! A ordem, a meiguice daquele Homem ecoava em seu Espírito. Ele era uma águia que desejava alcançar as alturas. E o Rabi lhe dizia como utilizar as asas para voar mais alto. Pela mente em turbilhão do jovem, passam as cenas das glórias que conquistaria. Os amigos confiavam nele. Tantos esperavam a sua vitória. Israel seria honrada com seu triunfo. Sim, ele podia renunciar aos bens de família, mas ao tesouro da juventude, às riquezas da vaidade atendida, os caprichos sustentados...? Seria necessário renunciar a tudo? A águia desejava voar, mas as asas estavam partidas... Recorda-se o jovem que os amigos o esperam na cidade, para um banquete previamente agendado. Num estremecimento, se ergue: Não posso! – murmura. Não posso agora. Perdoa-me. E afastou-se a passos largos. Subindo a encosta, na curva do caminho, ele se deteve. Olhou para trás. Vacilou ainda uma vez. A figura do Mestre se desenha na paisagem, aos raios do luar. A Luz parece chamá-lo uma vez mais. Indecisa, a alma do moço parece um pêndulo oscilante. A águia ainda tenta alçar o vôo. O peso do Mundo a retém no solo. Ele se decide. Com passos rápidos, quase a correr, desaparece na noite. Os evangelistas Meu'>ateus, Marcos e Lucas narram o episódio e dizem de como o jovem se retirou triste e pesaroso. Nem poderia ser diferente: fora-lhe dada a oportunidade de se precipitar no oceano do amor e ele preferira as areias vãs do Mundo. O Divino Amigo nos chama, diariamente, para a conquista do reino de paz. Alguns ainda somos como o moço rico. Deixamos para mais tarde, presos que ainda estamos a muitas questões e vaidades pessoais. É bom analisar o que vale mais: a alegria efêmera do Mundo ou a felicidade perene que tanto anelamos. Depois, é só optar.