domingo, 17 de novembro de 2013

Nossa Relação Com Os Espíritos

Escrito por Victor Rebelo A crença na vida após a morte acompanha a humanidade há milênios. Provavelmente, ela já existia antes mesmo dos nossos registros históricos, mas não podemos dizer que os antigos tinham o mesmo entendimento, sobre o destino da alma, que temos hoje. O pesquisador Fustel de Coulanges, em seu livro A Cidade Antiga, reúne registros demonstrando que, muito antes do culto aos deuses, na cultura greco-romana era realizado o culto aos antepassados. Tinha-se a certeza de que os mortos continuavam a viver debaixo da terra e necessitavam de comida e rituais. Se não fossem realizados, a família sofreria punições – doenças, miséria, calamidades... – de seus ancestrais, que poderiam deixar temporariamente o submundo terreno para protegê-la ou castigá-la, caso não cumprisse com suas obrigações. Era assim que se explicava uma série de fenômenos naturais numa realidade envolvida em mistérios. Alguns antepassados eram reconhecidos como grandes heróis civilizadores, passando a ser considerados, com o tempo, como deuses ou semideuses, tendo o seu culto permanecido por diversas gerações, pela tribo inteira ou até mesmo por toda uma urbe. Com o passar dos séculos, a crença na sobrevivência da alma passa por diversas modificações. Práticas antigas começam a se tornar obsoletas ou simples crendices, caindo em desuso. Mas, ainda assim, relatos de aparições permanecem, seja em casos considerados verídicos ou em obras de ficção mundialmente famosas, como em Hamlet, de Shakespeare, cuja trama se desenvolve a partir da aparição do rei morto, que revela o seu assassino. No século XIX, surgem inúmeros casos de aparições e outros tipos de manifestação do “Além”, no mundo todo, conforme afirmou Allan Kardec. O interessante é que a hipótese dessas manifestações terem como causa os espíritos não foi preestabelecida. Foi o próprio fenômeno que revelou sua causa. A partir daí, com a codificação da doutrina espírita, surge uma nova proposta de relação com os “mortos”, cujo ponto de partida é a análise e a experimentação metodológica. A Ciência ainda não aceita as pesquisas espíritas, porém, cada vez mais aumenta o número de cientistas realizando experimentos que, se não comprovam cientificamente a vida após a morte, pelo menos demonstram a existência de fenômenos que a Ciência, por sua vez, é incapaz de explicar satisfatoriamente sem aceitar a manifestação dos espíritos como causa. O Espiritismo é uma doutrina que ainda está em construção. Cada vez mais novos conhecimentos vão sendo somados. Aos poucos vamos interagindo com os espíritos de forma cada vez mais consciente e livre de superstições. Isso irá preparando as futuras gerações para um convívio mais natural e responsável com os espíritos, num intercâmbio que nos dará a certeza de que a vida continua.