segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O Ser e o Ter na Sua Prática

Prezados (as) Irmãos(ãs)

Venho junto a todos fazer uma reflexão em torno do ser e do ter dentro da doutrina Espírita.
O Mais importante é o ser do que o ter, pois muitas vezes no nosso ato de consumismo excessivo,queremos alcançar coisas verdadeiramente que não estamos aptos para merecer tal objeto.
Acontece,que por dizer o que vale é ser, não vem dizer que não venhamos a lutar para conseguirmos nossos objetivos, claro que devemos lutar para alcançar nossos objetivos, desde que seja de maneira lícita e que esteja de acordo com os princípios morais Cristãos.
Poderemos lutar por melhores condições de vida, pois isso faz parte do nosso engrandecimento, mas de forma que não desperte a cobiça, a forma desenfreada que vai se transformar em inveja, pois se o vizinho tem um carro de luxo, temos que ter também. Isso é que não pode acontecer, pois devemos desempenhar todo o esforço possível para dar melhores condições para nossa família, mas se não conseguir o objetivo, saber que continuamos a ser a mesma pessoa perante Deus e agradecer de coração a tudo o que possuimos, visto que muitas pessoas são felizes com o mínimo possível e não devemos entrar nessa competição desenfreada que gera o consumismo apelativo do comércio, que no intuito de verder seus produtos coloca como marketing que a pessoa para ter classe precisa ter um carro do ano ou de luxo.
Quando nos acharmos por baixo por não ter determinado objeto de consumo, devemos sempre olhar para trás, onde tem irmãos nossos em bem piores situações, até faltando o pão de cada dia e sofrendo nos corredores dos hospitais etc.
Vamos lutar para conseguir nossos objetivos, mas sem prejudicar nem que seja qualquer princípio moral cristão, pois a verdadeira vida está em ser em não em ter.
Quando chegarmos a nossa pátria espiritual, vamos precisar de nossa bagagem de princícios do evangelho de Jesus, o que um carro de luxo não vai substituir.
É aí onde devemos nos preparar para que não haja prantos e ranger de dentes.
Coragem! O pai não nos desampara!
Muita paz!
Antonio Carlos laranjeira Miranda.