domingo, 26 de fevereiro de 2012

O Testamento

Contribuição do Irmão Márcio.

Um homem muito rico e avarento estava à beira da morte, agonizando. Ao sentir o apelo do éter metafísico, pediu papel e caneta, e escreveu com dificuldade o seguinte:

"Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres "

Como morreu antes de fazer a pontuação no texto, a quem deixava ele a fortuna?


Eram quatro os "concorrentes" a herdeiro, e, ao serem chamados, cada um fez o seguinte:

1º: A irmã ao chegar fez a seguinte pontuação no texto:

" Deixo meus bens a minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres. "


2º: O sobrinho chegou em seguida e pontuou assim o escrito do falecido:

" Deixo meus bens a minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres. "


3º: O padeiro pediu cópia do original e puxou a "brasa para a sardinha" dele:

" Deixo meus bens a minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres. "


4º: Finalmente, chegaram alguns sem-abrigo da região e um deles, bastante sabido, fez esta interpretação:

" Deixo meus bens a minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres. "



MORAL DA HISTÓRIA:

ASSIM É A VIDA, PODE SER INTERPRETADA DE MUITAS MANEIRAS.

NÓS É QUE COLOCAMOS OS PONTOS E AS VIRGULAS, E ISSO É QUE FAZ TODA A DIFERENÇA.