quarta-feira, 24 de março de 2010

A Cura em Nossas Mãos




Adésio Alves Machado

A proliferação das enfermidades de todo tipo é uma das características de mundos em níveis de atraso moral-espiritual, ou seja, de mundos de provas e expiações, como o nosso.
Com o avanço do conhecimento humano nas experiências extrafísicas, a cura vai se tornando algo natural, perfeitamente exeqüível, por se encontrar dentro de nós o mecanismo que, devidamente acionado, proporcionar-nos-á a obtenção da tão ambicionada saúde.
Vemos assim que a cura se dará sempre não do exterior para o interior, mas deste para aquele, ou seja, justamente no sentido inverso do que sempre foi imaginado.
Atentemos para o fato de que, mesmo na área da medicina convencional, a cura, processando-se tanto no físico quanto no âmbito psicológico, o paciente não está indene à recidiva, caso não adote uma nova conduta, novos hábitos, os quais haverão de estar estruturados na vivência evangélica.
As experiências difíceis são uma necessidade evolutiva, precisam ser bem vividas, e em sendo bem dimensionadas e compreendidas, ensejar-nos-ão equilíbrio e bem-estar físico e sobretudo espiritual. Saibamos retirar lições contidas nas amargas experiências. Elas existem nas circunstâncias que as engendraram, cujos principais antagonistas fomos nós mesmos.
Cada criatura carrega a sua própria dor, precisa sofrê-la num processo todo de libertação. Ouçamos Divaldo Pereira Franco: “A dor de qualquer natureza é sempre bênção para quem a sabe usar com sabedoria. Na atual larga experiência que vamos galgando temos vivido dores, e elas vão se constituindo companheiras constantes. Quando não é de uma é de outra natureza. Aprendemos, porém, no silêncio e na oração, a confiar e prosseguir sorrindo, sem deixar-nos abater ou demonstrar ressentimento, apresentar defesa. O melhor é fazermos como JESUS, permanecendo de consciência tranqüila e aproveitar as ocorrências difíceis, e delas extrairmos experiências para o aprimoramento interior. Desta forma, as dores físicas e morais são as irmãs socorristas que nos distendem as mãos, levando-nos adiante”. Tipo de filosofia de vida que se aplica, bem sabemos, a uma minoria capacitada a vivê-la. Entretanto, todos chegaremos lá.
De várias maneiras podemos tornar suportável a nossa dor: rebelando-nos contra ela, torná-la-emos maior; entregando-nos à desesperação, a aflição aumentará; permitindo que o desânimo se apodere de nós, incapacitando-nos de superá-la; deixando-nos dominar pela mágoa, pela reclamação e pelo conceito de “vítima do destino”, mais rude, mais cruel ela se nos apresentará.
Aceitando-a, no entanto, logo a debelaremos pela sua própria condição de naturalidade, e por ela se encontrar nos mecanismos evolucionistas da Lei Maior. É transitória, enfim, sem realidade objetiva. Ela é e será sempre a ausência do bem-estar que existe para ser por nós fruído.
“A psiconeuroimunologia demonstra que cada um é, na área da saúde, aquilo que pensa e quanto se faz de si mesmo”, assevera Joanna de Ângelis. Somos o que pensamos, isto é indiscutível.
Curar-se vai sendo, para nós, pois, a resultante da nossa integração nos profundos mecanismos da vida, onde preponderam as ações do Eterno Bem. A ELE temos de nos agregar em definitivo.