quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O Jovem e o Cego -Autor desconhecido

Vinham dois homens a caminhar... Um era jovem, trazia em seu rosto os sinais da inexperiência. Os olhos vivos e atentos a tudo, como a querer aspirar a vida em um só fôlego. Tencionava modificar o mundo, revolucionar sua época, ensinar o muito que julgava saber.

O outro trazia no semblante as marcas do tempo, já não queria tomar o mundo, contentava-se em apreender um pouco, aqui e ali, analisando sereno, as experiências que a vida lhe apresentava. Tampouco desejava deixar suas marca nos homens e nas coisas que o rodeavam. Não queria discípulos, nem seguidores, não pretendia modificar a ninguém, a não ser seu próprio eu. Era cego de nascença, porém apesar de ter fechados os olhos do corpo, possuía abertos os da alma.

Vinham em silêncio, quando o jovem, surpreso, exclamou: - Uma pipa! Uma pipa no céu!

- Estás tão alegre em vê-la, ainda que distante. Por que? – perguntou o cego.

- Claro, toda vez que vemos uma pipa, uma só idéia nos assalta a alma, a idéia da liberdade. E qual de nos não valoriza a possibilidade de sentir-se livre? – disse o jovem.

- Liberdade? Estranho, para mim a pipa tem outro significado.

- Outro significado? Como? Sabes o que é uma pipa?

- Sim, meu amigo, sei o que é uma pipa, papagaio, pandorga, como queira chamar. Mas para mim, tal objeto traz-me a lembrança responsabilidade e bom-senso.

- Não entendo...

- O exercício da liberdade é complexo e fundamental em nossas vidas. Como a pipa, só podemos alçar vôos mais altos se a nos prender no solo, tivermos um fio resistente e mãos hábeis que nos manipulem com acerto. Tais instrumentos são a responsabilidade e o bom-senso. E só fazendo uso de tais ferramentas que dirigem e orientam o nosso vôo, podemos ter certeza que estamos fazendo bom uso da liberdade que nos é concedida. É a segurança de que a pipa precisa para subir... subir... Assim o limite para os nossos passos não é o espaço que nos rodeia, mas o comprimento do fio que nos prende ao solo, ou seja, a certeza que possuímos e de que estamos utilizando nossa liberdade de acordo com as normas que nos ditam o bom senso e a responsabilidade que já adquirimos. Muitas vezes, meu jovem, os olhos nos enganam. Não basta vermos, é preciso, enxergamos além.

O jovem, deu o braço ao cego, calou-se e em seu silêncio, entregou-se à reflexão.

O moço é o instinto primeiro; o velho é a sabedoria.

O instinto nos impulsiona, a sabedoria nos guia.