quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Perdoar aos inimigos é pedir perdão para si mesmo...

Sérgio Aparecido Alvim

“... porque se sois duros, exigente, inflexível, se tende rigor mesmo por uma ofensa leve, como quereis que Deus esqueça que, cada dia, tende maior necessidade de indulgência?...”
(ESSE cap. X, item 15)

Quando o Divino Mestre esteve entre nós, diante de suas belas e fraternas lições, ele veio nos falar da grande necessidade de perdoarmos sempre quando nos sentirmos ofendidos, então, ele nos trazia suas parábolas, onde ilustrava seus magníficos ensinamentos, para que pudéssemos refletir através delas, nos colocando em posição para melhor entendimento de sua mensagem.

Mas o próprio Cristo entendia nossas grandes limitações para o compreendemos da forma como deveríamos, foi então que ele nos prometeu o seu Consolador, que nos ajudaria a alcançarmos melhores condições de entendermos tantas coisas que antes não podíamos, Jesus tinha consciência de que estaríamos mais “maduros”, e neste momento nos enviaria seus emissários de luz, que nos trariam tantos esclarecimentos para que pudéssemos nos enriquecer ainda mais através de seu Evangelho, mesmo depois de dois milênios, condenando a nevoa densa da ignorância e nos libertando dos dogmas fortalecedores do fanatismo,nos trazendo a fé raciocinada para que através de nossas sábias escolhas , pudéssemos trilhar firmes no caminho rumo á perfeição, como espíritos imortais que somos.

Depois da codificação da Doutrina de Luz enviada pelo Mestre, hoje mais esclarecidos do que antes, já temos a plena consciência de que alem de buscarmos efetivamente os devidos esforços para nutrirmos um sentimento de maior compreensão uns com os outros, examinando o nosso irmão como ser que esta na luta pelo aprimoramento espiritual como todos nós estamos, também já nos conscientizamos da grande responsabilidade que temos, quando observamos que o nosso hoje é fruto de nosso ontem e que se estamos em determinada condição de “ofendidos”, que isso nada mais é, do que uma grande oportunidade para demonstrar algum aprendizado do Evangelho do Cristo-“Perdoa agora, hoje e amanhã, incondicionalmente.”- mas também não podemos esquecer de que o cultivo no passado de grandes indiferenças com aqueles que nos ladeiam em nossa jornada para a luz, nos traz a colheita certa hoje, que de alguma forma pode nos beneficiar, se formos testemunhos fiéis das lições do Cristo.

“O perdão é, pois, remédio santo para a euforia da mente na luta cotidiana.”
(Palavras de Vida Eterna-Emmanuel-Francisco Cândido Xavier)

Era isso que o Mestre queria nos ensinar, a necessidade de nos perdoarmos sempre, todas as vezes que fosse necessário o nosso perdão, pois só assim, aos poucos, de acordo com nossas boas conquistas, e de acordo com nossas vitórias, de não tratarmos mais com tanta indiferença uns aos outros, mas nos olharmos como irmãos, nos tornaríamos mais compreensivos mutuamente, seriamos maiores do que as pequenas rasuras que a convivência nos proporciona e assim seriamos seres mais felizes e mais fraternos.

Entretanto para podermos lograr efetivamente a posição de verdadeiros cristãos que lutam para superar a ignorância que retarda nosso aprimoramento espiritual, devemos também aprender a nos perdoar, livrando-nos das penitencias impróprias, dos processos de culpa, que nada mais são do que verdadeiros instrumentos devassadores da alma, devemos nos libertar da posição de algozes de nós mesmos, nos possibilitando ao reajuste necessário, nos colocando na posição real de que somos almas ainda na marcha pela perfeição, merecedores de nossa própria indulgencia.

Quantos são os irmãos que ainda estão estagnados na marcha para a Luz, pois não conseguiram se libertar das culpas provenientes de um passado equivocado e sofrem por estarem ainda muito ligados a sentimentos de culpas pelos atos cometidos no pretérito, nesta o em outras vidas, entregando-se a processos obsessivos que fatalmente farão surgir os transtornos mentais, causando uma completa falta de autoridade sobre si mesmo, colocando-se a disposição daqueles entes equivocados que não desejam o nosso melhoramento espiritual, por mera igonarancia, ou ainda colocando a criatura a mercê dos narcóticos, surgindo à dependência química que escraviza e limita a criatura.

“... Suas raízes podem estar fixadas no pretérito – erros e crimes ocultos que não foram justiçados – ou em passado próximo, nas ações da extravagância ou da delinqüência. Geradora de graves distúrbios, a culpa deve ser liberada, a fim de que os seus danos desapareçam.
(Joanna de Angelis-Livro: Momentos de Consciência.

psicografia de Divaldo P. Franco


Para nos livrarmos do fardo pesado do passado, Deus nosso Pai que em sua bondade, justiça e misericórdia, nos dá a cada dia novas oportunidades para recomeçarmos e para buscarmos uma vida nova, cheia de bênçãos e de momentos para ajustarmos o que fizemos contra nós e contra aqueles que caminham conosco nesta Terra Santa e abençoada, muito abençoada por aquele que esteve entre nós um dia, se dignando a estar perto de nós para que pudesse provar seu grande e incondicional amor , quando ainda na cruz,lá no calvário, nos seus derradeiros momentos, em meio a tanto sofrimento, ele ainda nos perdoou-“Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”

“Não atingiremos a paz sem desculpar os erros alheios que, em outras circunstancias , poderiam ser os nossos...”
(Ave Cristo)