sábado, 7 de novembro de 2009

Medicina Espiritual

O passe já é utilizado por vários médicos como apoio no tratamento de várias enfermidades.

Está cada dia menor a distância entre medicina e espiritualidade. Médicos de todo o Brasil estão realizando debates para discutir a proposta de inclusão da disciplina "Medicina e Espiritualidade" no currículo universitário. Isso significa uma revisão da literatura médica. É a ciência abrindo-se para verificar e confirmar o poder da fé e da oração no processo de cura.

A idéia não é levar as sessões espíritas para os hospitais ou consultórios médicos, mas valorizar a relação médico e paciente, utilizando os preceitos básicos trabalhados e divulgados pelo Espiritismo. Entre eles, a doação de fluídos durante o passe, que promove um equilíbrio físico e espiritual; além do trabalho voltado ao paciente para que mantenha pensamentos positivos como forma de evitar perturbações emocionais que possam acarretar doenças.

Essa movimentação dentro da classe médica do Brasil não se trata de uma ação revolucionária. Vários países, entre eles, os Estados Unidos, já dispõem de cursos médicos baseados em conceitos espirituais.

Está ocorrendo um crescimento da medicina espírita em todo o mundo. No Brasil, é evidente ao observar o número de associações médico-espíritas. Em 1995 eram nove. Hoje já são 30. São entidades que reúnem médicos que não abandonaram a medicina convencional, mas utilizam a crença para ajudar pacientes que querem conhecer esse tipo de tratamento complementar.

A tática dos médicos-espíritas é adotar medidas preconizadas pelo Espiritismo para reverter quadros de enfermidades.

Uma delas é fazer a aplicação do passe. Outra prática adotada por alguns são as reuniões de desobsessão.

As cirurgias espirituais em centros espíritas estão fazendo parte das pesquisas médicas, embora essa prática não tenha um consenso nem entre os próprios espíritas por favorecer a prática do charlatanismo.

Porém, diante do crescente número de pessoas que relatam ter conseguido a cura através dessas cirurgias, os médicos estão avaliando cientificamente o que ocorre nestes processos. A idéia é estudar não apenas os efeitos das práticas espíritas, mas o poder da oração e da fé no processo de cura.

A curiosidade sobre os fenômenos das experiências chamadas de quase morte, a comunicação com desencarnados, os fluídos e a força religiosa na recuperação de um doente, foram o elo de atração dos médicos. Ainda que pela curiosidade, a solidez dos fatos espirituais convencerão até os mais céticos tudo a seu tempo - e a humanidade será ainda melhor amparada, física e espiritualmente.