domingo, 29 de maio de 2011

Por que Sou Espírita?

Uma contribuição do Irmão Sérgio

Pela lógica

Porque se creio em um Deus único, infinitamente bom e justo e não posso acreditar que Ele permitiria o sofrimento de inocentes e o privilégio de criminosos. Não posso crer em um Deus que permite a dor e a limitação de crianças mal formadas. Um Deus que permite a fome e a miséria vividas por pessoas simples e honestas. Um Deus que permite as diferenças de talentos e destinos. E que essa permissão seja devida,unicamente, aos seus caprichos e preferências.

Se, creio em um Deus
perfeito, que não faz acepção de pessoas, então, tenho que entender as
situações acima como justas e merecidas. E elas só seriam realmente parte da
Justiça Divina se, explicadas por fatores por nós desconhecidos. O raciocínio
lógico nos leva a buscar essas causas em um passado distante, em encanações
anteriores.

A revelação, pelos espíritos que compõem a Legião de servidores do Cristo, sobre as leis da reencarnação e de causa e efeito foram o balsamo cicatrizante sobre a extensa ferida no cristianismo medieval, decorrente de sua institucionalização e
politização.

Essas leis permitem nossa plena compreensão da infinita Justiça Divina e são divulgadas pela Doutrina Espírita para que o Evangelho do Cristo seja revivido conforme previsto por Jesus.

Nenhuma outra explicação
para as dores dos homens e para suas desigualdades é tão eficiente e ampla e,
ainda assim, compatível com o Deus justo e bom em que creio. Ao interpretarmos
as dores da vida sob essa ótica, mesmo com as mais variadas e dolorosas circunstâncias vividas pelos seres humanos na Terra, em nenhum caso duvidaremos da Infinita Justiça Divina.

Todavia
digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o
Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei.

João, 16; 7.