domingo, 19 de julho de 2009

Autocompaixão

Psicologicamente, o homem que cultiva a autopiedade desenvolve tormentos desnecessários que o deprimem na razão direta em que a eles se entrega.
Reflexões sobre dificuldades pessoais constituem fenômeno auxiliar para ações dignificadoras, facultando a identificação dos recursos disponíveis, bem como avaliação das atitudes que redundaram em insucesso ou desequilíbrio, a fim de as evitar no futuro ou corrigilas quanto antes.
Toda aprendizagem assenta-se nos critérios do erro e do acerto, selecionando as experiências consideradas saudáveis, benéficas, que se fixam pela natural repetição.
Desse modo, os insucessos são pantamares que propiciam avanços para que se alcancem degraus mais elevados.
Quando , porém, o indivíduo elege a posição de vítima da vida, assumindo a lamentável condição de infelicidade, encontra-se a um passo de pertubações emocionais graves. logo derrapando em psicopatologias devastadoras.
A mente, conforme seja acionada pela vontade, torna-se cárcere sombrio ou asas de libertação, e ninguém se lhe exime à influência.
Conduzida pelos escuros corredores da lamentação, desatrela condicionamentos que aprisionam o ser demoradamente.
Por isso mesmo, o cultivo da autocompaixão, mediante a insintente reclamação em torno dos acontecimentos da vida, demonstrando insatisfação sistemática, transforma-se em mecanismo masoquista de pertubadora presença no psiquismo. A pseudo-aflição mantida converte-se em motivo de alegria, realizando um mecanismo de valorização pessoal, cujo desvio comportamental plenifica o ego.
Todo aquele que se faculta a autocompaixão neurótica é portador de insegurança e de complexo de inferioridade,que disfaça, recorrendo, insconscientemente, às transferências de piedade por si mesmo, sem qualquer respeito pelas demais pessoas. Desenvolve os sentimentos de indiferençapelos problemas dos outros, fechando-se no círculo diminuto da personalidade mórbida.
No seu atormentado ponto de vista, somente a sua é uma situação dolorosa, digna de apoio e solidariedade. E, quando essas expressões de socorro lhe são dirigidas. reage, recusando-as, a fim de permanecer na postura de infelicidade que o torna feliz.
Aquele que se entrega à autocompaixão nunca se satisfaz com o que tem, com o que é, com os valores de que dispõe e pode movimentar. Não raro,encontra-se mais bem aquinhoado do que a maioria das pessoas no seu grupo social; no entanto reclama e convence-se da desdita que imagina, encarcerando-se no sofrimento e exteriorizando mal-estar à volta, com que contamina as pessoas que o cercam ou que lhe acercam.
Os grandes vitoriosos do mundo lutaram com tenacidade para romper os limites, os problemas, as enfermidades, os desafios. Não nasceram fortes; tornaram-se vigorosos no fragor das batalhas travadas. Não se detiveram na lamentação, porque investiram na ação todo o tempo
disponível.
Milton, o poeta cego, prosseguiu escrevendo excelentes poemas, ao invés de lamentar-se; Beethoven continuou compondo, e com mais beleza, após a surdez total. Chopin, tuberculoso, deu segmento às músicas ricas de ternura, entre crises de hemoptises, e Mozart, na miséria, sofrendo competições ultrizes, traduziu para os ouvidos humanos as belas melodias que lhe vibravam na alma...
A galeria é expressiva e iluminada pelo gênio e pela coragem desses homens e mulheres extraordinários.
Quando se mantém a autocompaixão, extermina-se o amor, não se amando, nem tão pouco a ninguém.
O homem tem o dever de aprofundar meditações em torno das aflições e dos seus problemas, a fim de os superar.
O desenvolvimento saudável do ser psicológico impele-o à confiança e o induz à atividade para a aquisição do sentido da vida, da sua finalidade.
Quem de si se compadece, recusa-se crescer e não luta, estagiando na amargura com a qual se compraz.
Fator de desintegração da personalidade, a autocompaixão deve ser rechaçada sempre e sem qualquer consideração. cedendo espaço mental para os tentames que levam a vitória, à saúde emocional e a harmonia íntima.
JOANNA DE ÂNGELIS