sexta-feira, 11 de março de 2011

A Dor da Fuga

Uma das mais graves circunstâncias que envolvem a morte é o suicídio. A Doutrina Espírita explica que a morte voluntária representa uma transgressão ao curso da vida, com sérias consequências para o espírito desencarnado.
O autoaniquilamento é uma porta falsa em que o indivíduo, julgando-se libertar-se de seus males, precipita-se em situação muito pior, define o escritor Richard Simonetti em quem tem medo da morte?
Além de não cumprir sua missão na Terra ao interromper a própria vida, o suicida leva para o mundo espiritual as marcas da violência cometida contra si mesmo. Essas marcas aparecem no perispírito ou corpo espiritual, e é visível a certos médiuns videntes com habilidade para enxergar características do mundo espiritual. E que marcas são essas? Tudo vai depender da maneira como o suicida tirou a própria vida. Se alguém que deu um tiro na própria cabeça, após o desencarne sofrerá com desconfortos, dor e lesões na regiao cerebral. A confusão interior também pode abate-lo, gerando remorso e sofrimento.Se o suicida cometeu o aniquilamento de outra forma, vai sofrer de acordo com a forma de aniquilamento e o desconforto do vales dos suicidas com a confusão interior.

É possível ajudar?

Claro! Se voce tem um parente ou amigo que tirou a própria vida, ore pela alma Dele. O Espiritismo ensina que a prece é um alívio poderoso para o espírito que se encontra nessa situação. Rezar pela pessoa desencarnada é melhor do que se culpar ou tentar encontrar respostas para explicar o ocorrido. Lembre-se ainda de que a experiência penosa do suicida no mundo espiritual não é em vão, já que o sofrimento representa aprendizado e amadurecimento interior.

Antonio carlos Laranjeira Miranda