sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Espírito

Antonio Paiva Rodrigues
“Bem aventurados seja aquele que não se deixa levar por maus conselhos, que não segue o caminho dos que não querem conhecer Deus e que não se junta com os zombadores”.
A filosofia espírita é bem explicada quando afirma que nosso corpo é constituído de corpo, perispírito e alma. Sendo o corpo a nossa matéria, o perispírito a ligação entre a vida material e o espiritual. A alma é um espírito encarnado. Com certeza você é espírito. Basta-lhe despertar para a recordação, lembra-se.
O espírito não tem limites, não tem o limite do corpo físico e ultrapassa o alcance do intelecto ou da mente. Quando a energia vibratória do espírito diminui a ponto de vista podem atingir ambientes mais densos, com o plano tridimensional em que hoje vive, o espírito se cristaliza e se transforma em corpos cada vez mais densos. O mais denso de todos é o estado físico.
É nele que o ritmo de vibração é mais baixo. O tempo parece passar mais rapidamente nesse estado, porque que é proporcionalmente inverso ao ritmo da vibração.
À metade que aumenta o ritmo da vibração, o tempo se desacelera. Por isso é que às vezes é difícil escolher o corpo certo, o tempo certo de retornar ao estado físico.
Dada a disparidade do tempo, pode-se perder a oportunidade. Existem muitos níveis de consciência, muitos estados vibratórios. Não lhe importa conhecer todos os níveis. Precisaria um aprofundamento maior, um estudo mais acalorado e isto levariam muito tempo. “Para nós, o mais importante é o primeiro dos sete níveis. É mais importante ter experiência no primeiro plano do que abstrair e raciocinar a cerca dos planos superiores”.
Talvez tenhamos que passar por todos eles.
Nossa tarefa é ensinar aos outros através da experiência. A partir do que é crença e fé e transformá-lo em experiência, do modo que o aprendizado seja completo, pois a experiência transcende a crença. Ensina-lhe a sentir. Retirar-lhes o medo. Ensinar-lhes a amar e a se ajudarem uns aos outros, isso envolve o livre arbítrio das pessoas. Mas dirija-se a elas com amor e compaixão. Ajude-as. É isso o que deve fazer em primeiro plano, “os seres humanos consideram-se o único tipo de vida inteligente do universo. Isso não é verdade. Existem mundos e muitas dimensões”.
Além do mais a alma pode dividir-se, se assim o desejar. O espírito não para, sempre está em movimento. O certo é que existem mais espíritos do que matéria, e Deus o arquiteto do universo está sempre a criá-los”.
A morte não existe. Passamos para um estado de evolução e aprendizado.
Poderemos voltar em várias reencarnações. A energia consiste em luz, amor e conhecimento. Se na ascensão de Jesus Cristo ele subiu aos céus em alma e matéria com certeza existe outro mundo material, além do nosso. Para os mestres que estudaram a fundo a vida deste inigualável homem, cheio de santidade ele não morreu.
Foi seu corpo requisitado por Jesus de Arimatéia e Nicodemos que cuidaram e conseguiram curá-lo. Terminou sua vida num mosteiro de Carmelo, no monte do mesmo nome em Jerusalém. Viveu até os 70 anos, junto aos seus irmãos de fraternidade, praticando a espiritualidade, tinha uma reunião semanal com seus adeptos.
Foi enterrado em um ataúde em lugar secreto. Se este Deus veio a terra em forma humana teria que seguir, o mesmo destino que nós: nascer, viver e morrer. No céu não existe lugar para seres materiais e sim espirituais. Ao comentar esta matéria muitas pessoas me levaram ao desprezo e afirmaram que eu estava ficando louco, queria dizer aos que assim pensam e procedem, sou ser humano e estou neste orbe fazendo parte da história de uma maneira ou de outra. A vida é assim mesmo, uns são criticados, outros elogiados, uns são bons outros mal, é o livre arbítrio que o Pai nos deixou de herança, resta-nos pender se possível só para o bem, pois o mal por si só, se destrói. Eu estou com o Pai Maior, Jesus Cristo e Allan Kardec, codificador da doutrina Espírita.